.
SOJA NA CONTRAMÃO



Informa a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais: o Brasil vai exportar, este ano, mais de 31,5 milhões de toneladas de soja e vai processar para o mercado interno e exportação mais 35,1 milhões de toneladas.

Ou seja, "o Brasil é o único país do mundo que incentiva as exportações de matéria-prima em detrimento de produtos com valor agregado, o que compromete a competitividade da indústria". Vendendo mais soja que farelo e óleo, o Brasil perde competitividade, e a causa principal são problemas tributários, alerta a Abiove.

Diz mais: a capacidade de processamento das unidades ativas da indústria brasileira de oleaginosas é de 158 mil toneladas/dia. Desse total, 67% são utilizados, restando, portanto, uma ociosidade de 33%. A pesquisa de capacidade instalada em 2012 revela que o Brasil, segundo maior produtor mundial de soja e quarto processador, exporta mais soja em grãos do que produtos de maior valor agregado, como farelo e óleo."

"O país desonerou totalmente a exportação de soja, mas ainda tributa a produção de farelo e óleo, destinada à exportação, com ICMS e Funrural, e o ressarcimento do PIS e Cofins se estende por anos."

"O crescimento da capacidade de processamento em 4% sinaliza uma frágil recuperação da indústria em 2012 para um patamar inferior a 2010. Chega-se claramente à conclusão de que o país poderia desenvolver muito mais sua indústria de óleos vegetais, com mais agregação de valor às suas vendas externas e geração de empregos, localmente, por meio de um aperfeiçoamento da política tributária."

"É o que tem feito a Argentina, terceiro maior produtor mundial de soja. O país vizinho incentiva a industrialização e os embarques de farelo e óleo por meio de uma menor tributação sobre os produtos, ao contrário do que faz o Brasil."

"Note-se que a capacidade instalada de processamento, na Argentina, era a metade do Brasil em 1996 e atualmente é maior que a brasileira. Em 2011, era de 175 mil t/dia, em relação a 169 mil t/dia no Brasil".

(14/11/2012)